Publicados recentemente

Nascido na cidade de São Paulo, Guilherme Kramer é responsável por murais preenchidos por rostos detalhados. Anteriormente utilizava mais do preto e do branco para realizar suas obras, mas recentemente vem encontrando um grande espaço paras as cores.

As multidões o atraem. Os rostos que podem ser vistos em transportes públicos ou manifestações servem de inspiração.

Começou a fazer exposições individuais e coletivas em 2006 e não parou.  Hong Kong, Shangai, Lisboa, Barcelona, Roma, Bogotá, Berna, Açores e Paris são algumas das cidades em que seu trabalho já passou, além de diversas regiões brasileiras.

Marina Acayaba

0 obras

Marina Acayaba é uma arquiteta que fundou, ao lado de Juan Pablo Rosenberg, o escritório AR Arquitetos. Formada na Universidade de São Paulo (USP) em 2006, Marina se destacou ao participar de projetos como a Casa dos Pátios e o Atelier Aberto.

O segundo projeto mencionado inclui um espaço frontal que equivale-se como uma praça interna, semi-pública, um local para pintar. O atelier se mistura com o que parece uma rua entre edifícios de concreto e o recuo mencionado.

Junto de Rosenberg, Marina foi responsável por inúmeros projetos comerciais e residenciais que utilizam da criatividade para proporcionar espaços novos em São Paulo.

Marina Portolano é uma arquiteta que trabalha e vive em São Paulo. Responsável por projetos como o do bar Pitico, no Largo da Batata e do restaurante Mica, também em Pinheiros, Marina utiliza a criatividade para compor os espaços urbanos de forma ideal, independente de tamanho. Às vezes, utilizando o que o meio já oferece.

Para o Pitico, a arquiteta, junto de sua equipe, precisava encontrar o local perfeito para um take-away de falafel.  A casa considerada para o projeto possuía um estacionamento que chamou atenção. O contêiner foi selecionado para abrigar as operações e não interferir muito no terreno. Hoje em dia, o Pitico é utilizado como praça, espaço público, aberto e espontâneo.

Assim, Marina, que possui um escritório de arquitetura e design com seu nome, ajuda na concepção de projetos que valorizam não apenas o local por si, como a cidade de São Paulo.

Eduardo Srur

0 obras

Eduardo Srur estudou na Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), em São Paulo, onde vive e trabalha. Iniciou sua trajetória com a pintura, durante os anos 90, e logo em seguida passou a pesquisar sobre a utilização do espaço público para o desenvolvimento de instalações de intervenção urbana.

Foi responsável por “Acampamento dos Anjos”, na fachada do maior hospital abandonado da America do Sul (2004);  caiaques tripulados por manequins de plástico nas poluídas águas do rio Pinheiros (2006); esculturas na forma de garrafas PETS gigantes nas margens do rio Tiete (2008); interferência nos monumentos com coletes salva-vidas (2008).

Apropriando-se de pontes e viadutos, rios poluídos e represas, parques públicos e terrenos baldios, Srur faz críticas através de sua arte. É idealizador e proprietário da ATTACK Intervenções Urbanas, uma empresa especializada na concepção e produção de projetos especiais no espaço público que presta suporte para suas intervenções artísticas.

 

Binho

0 obras

Desde 1984 Fabio Luiz Santos Ribeiro, mais conhecido como Binho, se encontra presente no cenário da arte urbana.  Um dos percursores do movimento no Brasil, Binho possui influência do hip hop e das manifestações vindas do gueto em Nova Iorque nos anos 80.

Sempre presente nas ruas, o artista também ganhou espaço em galerias ao redor do mundo e criou uma produtora cultural para difundir a arte urbana pelo país. Atualmente também faz trabalhos em quadros e curadoria. Um de seus projetos foi o Museu Aberto de Arte Urbana de São Paulo (MAAU), o primeiro museu aberto de arte urbana do mundo.

 

Efêmmera

0 obras

O grupo Effêmera é um coletivo formado por mulheres que se relacionam com a arte urbana. A partir de uma pesquisa acadêmica sobre a cena feminina na arte de rua, o projeto foi idealizado. Bela Gregório, a fundadora do grupo sentiu uma necessidade em criar um ambiente para troca de ideias e experiências entre mulheres deste universo. Dessa forma, o projeto nasceu em 2012.

O objetivo do grupo é propor diálogo com quem possui interesse em saber mais sobre o movimento da cena feminina na arte urbana. Existe um revezamento de membros para a realização de palestras, oficinas, pinturas e ações urbanas.

“O foco é disseminar a cultura de rua feita por mulheres na cidade”.

 

Grazie Gra

0 obras

A artista visual e atriz Grazie Gra mora e trabalha na cidade de São Paulo. Sua assinatura faz uma brincadeira com seu nome, Graziele, e com a palavra “obrigado” em italiano, origem de seu pai.  Ela retrata mulheres, de forma característica. Seu traço é facilmente reconhecível, uma mistura de suavidade com firmeza.

Para ela, os muros são os principais suportes de suas criações que contam com tinta acrílico, spray e, eventualmente, a técnica do estêncil. Além disso, a artista trabalha com gravuras, escultura e performance.

Grazie faz parte do grupo Effêmera, um coletivo formado por mulheres que se relacionam com a arte urbana.

Shesko & Sirius

0 obras

Nascidos e criados em Santos, no litoral do estado de São Paulo, Leandro Shesko e Andressa Sirius formam o duo LA. Shesko começou a fazer parte do cenário da arte de rua em 1999. Desde muito cedo desenhava por influência de quadrinhos e desenhos animados, portanto sua transição para o grafite ocorreu de forma natural. Hoje em dia faz murais, pinturas e ilustrações.

Em 2012, Sirius conheceu o universo da arte urbana e passou a trabalhar com Shesko. Aprendendo de forma rápida e autodidata, Andressa tornou-se assistente do atual parceiro. Desde então eles formam uma dupla.

Moai

0 obras

De Campinas, o artista Moai encontrou uma maneira de unir o grafite com o empreendedorismo. Em 2001, deu origem ao New Family Crew, composto hoje por ele e Dimi, membros desde o início. Com um estilo ligado ao hip hop, o grupo é presente nas ruas da cidade do interior paulista.

Em 2009 a New Family Crew montou um studio com foco, também, em encontros e discussões. Um espaço para a arte. Três anos depois, a primeira coleção de roupas do grupo foi lançada. Hoje em dia, Moai possui uma loja física em Campinas, com a venda de roupas, acessórios, latas de spray e um estúdio de tatuagem.

 

 

Siss

0 obras

Simone Sapienza, conhecida como Siss, iniciou sua trajetória artística em 1995, mas foi apenas em 2010 que entrou para o universo da arte de rua, ao conhecer o estêncil. Com humor e referências, Siss também utiliza a técnica do  lambe-lambe e a escrita. Seus trabalhos contêm personagens históricos, ícones e super-heróis em situações humanas.

Formada em Propaganda, a artista nunca chegou a exercer a profissão, voltando sua criatividade à arte desde sua graduação. Grande parte de seu trabalho pode também ser encontrado em Atibaia, São Paulo.

Algumas de suas  exposições/intervenções:

2017 Participação na Expo “Synopse Of An Urban Memoir”- Andrew Freedman House – Bronx – New York

2016 Star Wars Rogue One – Live Painting de dois paineis no Star Wars Run

2015 Intervencao Artistica DIsney/ Marvel – pintura Escudo Capitão América na Comic Con

2012 Exposição Individual “Sisstema”- Matilha Cultural – São Paulo – Brasil

2010 Exposição Stencil Art – Galeria Mutante- Atibaia

 

Mapa List