De origem judaica, Lasar Segall iniciou os estudos de arte em 1905, na Academia de Desenho do mestre Antokolski, em Vilna, na Lituânia. Mudou-se para a Alemanha em 1906 e estudou na Escola de Artes Aplicadas e na Academia Imperial de Belas Artes, em Berlim. O artista também viajou para a cidade de Dresden, onde frequentou a Academia de Belas Artes. Ampliou seu contato com a pintura impressionista e, em 1910, realizou a primeira mostra individual na Galeria Gurlitt.

No final de 1912, veio para o Brasil e, no ano seguinte, expôs em São Paulo e Campinas. No mesmo ano, retornou à Europa. Inicialmente, realizou uma pintura de derivação impressionista, com influência de conhecidos artistas, como Paul Cézanne (1839-1906). A partir de 1914, passou a interessar-se pelo expressionismo, desenvolvendo-se plenamente nessa estética em 1917. Em 1919, em Dresden, fundou com Otto Dix (1891-1969), Conrad Felixmüller (1897-1977), Otto Lange (1879-1944) e outros, o Dresdner Sezession Gruppe 1919, grupo que agrega artistas expressionistas da cidade.

Em 1923, voltou ao Brasil, onde fixou residência em São Paulo. Na capital paulista, Lasar Segall foi destaque no cenário da arte moderna, considerado um representante das vanguardas europeias. No ano seguinte, executou decoração para o Baile Futurista do Automóvel Clube e para o Pavilhão Modernista de Olívia Guedes Penteado (1872-1934). Foi um dos fundadores da Sociedade Pró-Arte Moderna – Spam, em 1932, da qual foi diretor até 1935. Dez anos após sua morte, em 1967, a casa onde morava, na Vila Mariana, foi transformada no Museu Lasar Segall.